Entrevista coletiva entre blogs de culinária – Temperaria

Publicado por | 8 de agosto de 2013 | Blog | 5 comentários
Print Friendly

Pessoal, a Andrea Potsch do blog Aromas e Sabores convidou alguns blogueiros a participarem de uma entrevista coletiva entre eles e cá estamos! :)

Entrevista coletiva entre blogueiros

Mas como é que funciona essa história de entrevista coletiva?

É simples… cada blog teria que entrevistar algum outro e assim sucessivamente até todos concluírem as suas participações. A própria Andrea ficou encarregada de nos entrevistar e caso vocês queiram conhecer um pouquinho mais do patrão e da patroa deem uma passadinha no Aromas e Sabores e confiram nossas respostas.

Já a nossa entrevistada foi a Vivian Luiz do Temperaria. Um blog que conhecemos a pouco tempo, mas que já entrou em nossa lista de melhores blogs de culinária… 😉

Temperaria

Confiram abaixo como foi a entrevista:

1. Nos conte um pouco mais sobre o Temperaria. De onde surgiu a “insana” idéia de fazer e manter um blog… rs

Eu já gosto de cozinhar há muito tempo, desde o início da adolescência. Sempre gostei de fazer comida não só para mim como para os familiares e amigos. E todos que convivem comigo sabem desse meu gosto e volta e meia diziam “você devia ter um programa na TV” ou “por que não escreve um livro de receitas?”. Como não tenho intenção de fazer nem uma coisa nem outra, resolvi que um blog na internet seria a melhor forma de catalogar e compartilhar as informações e dicas que fui adquirindo no decorrer do tempo na cozinha. Inicialmente foi uma ideia bastante simples, um blog gratuito daquele “modelão” sem muita estratégia, sem pensar nas fotos, etc… percebi que não seria suficiente. Comecei a investir um pouco mais de tempo e dinheiro no blog, comprei uma máquina fotográfica profissional e fiz alguns cursos de fotografia para aprender especificamente a clicar as imagens pro blog (é inacreditável ver a diferença das primeiras postagens para as últimas, por exemplo). Alterei plataforma, contratei um designer para me ajudar a definir uma identidade visual, participei de encontros e feiras.. enfim, a ideia foi tomando forma e eu fui pegando o gosto pela coisa. Junte a isso o fato de eu ter feito Letras, já ter tido um outro blog sobre outro tipo de assunto (literário) e gostar bastante de escrever. Então foi uma forma bacana de juntar as duas coisas!

2. Vimos no blog, na descrição sobre você, a grande influência que a família (principalmente suas tias) trouxe para a formação do seu gosto pela culinária. Foi apenas a família mesmo que te incentivou a preparar pratos diferentes com bonitas apresentações ou você teve alguma outra grande influência nesse processo?

De início foi a família, pois foi com eles o meu primeiro contato com a cozinha. Minha mãe e minha avó também cozinham muito bem e quando criança aprendi bastante coisa com elas. Minhas tias são aquelas mulheres de mão cheia, que cozinham de tudo e tudo fica bom. Como nossa família é enorme e as reuniões são sempre grandes, sempre cozinharam grandes quantidades de coisa também, então ajuda era sempre bem vinda. Com isso, eu e outros primos acabamos pegando o gosto pela coisa. Com o tempo passei a refinar esse gosto, vendo a apresentação de pratos em livros, revistas, internet, etc, e tenho tentado aprimorar esse conceito. Hoje em dia meus pratos já são bem mais elaborados do que eram antigamente, penso bastante na origem dos ingredientes, nos tipos diferentes de ervas, temperos, pimentas… compro louças específicas pensando na apresentação dos pratos ao servir. Enfim, acho que com o tempo vamos pegando gosto e querendo fazer ainda melhor, não é?

3. E a inspiração? De onde surge as idéias para as receitas do blog?

De vários lugares diferentes. Em parte dos livros que eu compro constantemente e adoro (Jamie Oliver, Nigella Lawson, Martha Stewart, Cordon Bleu e etc), outra parte dos programas de culinária da televisão a cabo (especialmente do Claude Troisgros, de quem sou fã!), outra parte dos blogs, que costumo visitar sempre que dá. Muitas vezes também eu invento na hora, dependendo dos ingredientes que tenho disponíveis na minha cozinha.

4. Aqui em casa, uma das coisas mais complicadas é saber dosar a quantidade de comida a ser preparada para duas pessoas. Principalmente com ingredientes novos e que a patroa ainda não tem experiência. Como você lida com isso? Sempre acerta a quantidade ideal, sem sobras? E se houver sobras, o que acaba fazendo?

Na verdade eu nunca acerto! Rsrs Mas já faço de propósito mesmo. Moro com meu marido e 3 enteados adolescentes, então já faço muita comida por praxe. E como trabalho fora e não tenho tempo para cozinhar todos os dias, mais nos finais de semana e feriados, faço muita comida para congelar e usar durante a semana. Quando faço carne moída faço pelo menos 1 quilo, porque comemos metade e a outra metade já congelo para ser usada num dos dias da semana. Faço isso com carnes em geral, feijão e arroz, que descobri dar super certo congelando. Aí os acompanhamentos (legumes cozidos ou assados, macarrão, salada, etc) eu faço na hora mesmo, porque é muito mais fácil. Outra coisa que acontece é quando acaba sobrando pouquinho, o que não é suficiente para outra “rodada” de almoço ou jantar. Daí eu também congelo (o freezer é um grande amigo e aliado na minha cozinha!) para depois usar em caldos, sopas, etc. Nada é desperdiçado!

5. E essa ambição em preparar o pão caseiro perfeito? De onde surgiu? Rs

Eu adoro pão. Não consigo viver sem! Como muita gente, vivo tentando fazer dieta, mas o pão é minha grande barreira, para mim é impossível cortá-lo do meu dia a dia (já fiz muito em não comer mais meu pãozinho à noite..). Gosto de vários tipos de pães, desde o tradicional pão francês aos pães italianos, integrais, australianos, recheados, doces, etc. Como é uma das coisas que mais gosto de comer, decidi que deveria aprender a fazer também. Mas pão é uma coisa um pouco frustrante, porque nem sempre fica como nós queremos e tem muitas variáveis que podem influenciar no resultado, como o tipo de farinha, de fermento, a temperatura ambiente, o tempo que fica em repouso, o tipo de forno, e assim vai (a lista é enorme, né?). Então comecei a ficar fissurada no assunto!

6. O blog é apenas um hobby ou é sua atividade principal? Como administra seu tempo para conciliar as atividades do dia-a-dia? Se fosse dividir o dia em porcentagens, qual seria a parte destinada exclusivamente ao blog?

O blog é um hobby somente, que não tem nada a ver com minha realidade profissional. Na verdade é um hobby que infelizmente foi bastante negligenciado nos últimos meses devido à correria pré-casório e pré-mudança, mas agora que acabei de voltar da lua de mel e estou com mais tempo para “respirar”, pretendo voltar com força total! Eu não faço grandes planejamentos para conciliar o tempo com o blog, realmente só costumo postar quando tenho tempo, o que varia muito dependendo da fase da minha vida. Já teve época de eu postar quase diariamente, ou semanalmente ou mensalmente.

7. Antes de pensar no blog, como ocupava esse tempo? Sente saudades desse período?

Haha nunca pensei nisso! Nem sei… acho que eu lia mais. Adoro ler, fiz Letras, então já viu né? Mas não sinto falta não. O blog na verdade foi um acréscimo na minha vida, que me traz bastante coisa boa.

8. Falando sobre a parte técnica do blog. É você mesma que administra tudo? Testa e implementa plugins, faz o layout, cuida dessa parte “chata”, mas necessária ou conta com a ajuda de alguém?

Hoje em dia eu faço tudo sim, incluindo testar e implementar plugins, widgets, novas colunas, alterações no menu, etc. Mas o projeto inicial e a identidade visual foi feita por um profissional, que na verdade é um amigo. O Philipe Kling do Mundo Gump é fera! Ele me ajudou bastante, até porque precisei migrar da plataforma Blogger para a WordPress (o que foi um super avanço para mim, já que considero muito melhor em quase todos os aspectos). Ele fez a logo, que eu adoro, o layout, escolha de cores, cartão de visitas, etc. Agora eu já consigo levar sozinha. Mas pretendo dar uma atualizada na identidade visual do blog no início do ano que vem, então provavelmente vou contar com a ajuda do Philipe novamente!

9. Como costuma lidar com plágio? Já teve a experiência de ver a sua receita e/ou foto publicada em um local sem sua autorização?

Infelizmente já tive receita e principalmente fotos plagiadas. Hoje em dia ocorre com frequência com as fotos. Ontem mesmo recebi ligação da assessoria de uma marca bastante famosa com a qual entrei em contato porque usaram minha foto no site deles sem autorização. Isso não me incomoda muito, de verdade. Fico mais chateada quando a coisa é mais pessoal, como um blogueiro que pega a foto e literalmente diz que aquela é a foto da receita que ele está postando. Isso me deixa revoltada não só pela falta de respeito comigo, mas principalmente pela falta de respeito com todos os potenciais leitores daquele blog. Aí eu fico uma arara! Outra coisa que me deixa louca também é quando copiam a postagem inteira, incluindo texto. Eu sempre falo no início um ou dois parágrafos pessoais sobre como decidi fazer a receita, ou quem comeu, ou qual foi o resultado. Então como assim a pessoa copia isso tudo? Além de falta de respeito é burrice, né? Eu já tive uma fase mais irritada com tudo isso, em que eu pesquisava pelo menos uma vez por mês por conteúdos similares ao meu na internet. Hoje eu já relaxei e acabo sabendo porque alguém viu minha foto em algum lugar e achou estranho. Prefiro não encucar demais com isso, senão desestimula muito a fazer um trabalho legal.

10. Pra finalizar, vimos que o Temperaria completou 2 anos em 29 de maio (um dia antes do aniversário do patrão). Parabéns! Sabemos o trabalho que dá manter um blog de culinária… mas nos conte qual foi a receita, evento, situação ou “causo” mais marcante nestes 2 anos.

Nossas, tive até que abrir o blog agora para tentar lembrar! É muito difícil escolher uma receita específica porque são muitas e várias possuem uma história ou razão de ser… mas posso citar a receita de Feijão Caseiro que eu demorei muito para “aprimorar”. Eu não gosto de colocar carne no feijão (não como feijoada), e sempre temperei o feijão com o trio cebola-alho-louro, que para mim funciona muito bem. Mas desde pequena sou fascinada pelo feijão feito pela minha madrinha, que é sensacional. Até que um dia ela me disse que o tempero especial dela era o manjericão. Incorporei à minha receita e ficou incrível! Desde então virou meu prato favorito. E todos que provam também adoram!

Adoramos conhecer um pouquinho mais de você Vivian! Obrigado pelas respostas nessa entrevista super-bacana… 😉

E pra quem quiser conhecer os demais blogs participantes, confira a lista abaixo:

 

Sobre Marcelo Sales

Mais conhecido também como "o patrão"... é designer desempenhando a função a mais de 15 anos. Comunicativo e detalhista, está sempre atento as peripécias da patroa na cozinha. No blog, além do layout e programação, é responsável pela publicação e revisão da maioria dos posts (se algo estiver errado, bote a culpa nele). Raramente tenta algo na cozinha, prefere dar pitacos e dizer se a patroa acertou ou não na receita... ao menos, ele lava a louça (xingando, mas lava). Acesse a página "Sobre o blog" e saiba mais do patrão...

5 comentários

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado.

Você também pode usar o Facebook se achar melhor...